Fórum discute o significado das queixas psicossomáticas no ambiente de trabalho

Bloco

Queixas psicossomáticas nas empresas: o que significam?

Letícia Paiva

LimongiO Núcleo de Gestão de Qualidade de Vida no Trabalho (GQVT) começou a se formar na FEAUSP no início dos anos 1990. Desde então, se consolidou como um núcleo de pesquisa, ensino e extensão, organizando debates temáticos entre profissionais especializados e o público interessado no tema. No IX Fórum do Núcleo, realizado no dia 10 de abril, o tema discutido foi "Queixas psicossomáticas nas empresas: o que significam?".

Queixas psicossomáticas são sintomas de doenças que têm seu princípio na mente. A coordenadora do Núcleo, professora Ana Cristina Limongi-França, conta que são bastante comuns queixas de doenças como asma, gastrite ou enxaqueca aparecerem no ambiente de trabalho, às vezes até de forma coletiva, constituindo-se como uma espécie de resposta a uma situação de desequilíbrio, de insatisfação ou excesso de pressão.

Durante a discussão, foi apontado o caráter de reação das queixas, ou seja, a criação de um significado para determinado sintoma na tentativa de acalmá-lo Em outro momento, os participantes escreveram palavras-chave sobre as queixas psicossomáticas no trabalho, sendo a palavra falha uma das mais citadas, indicando as falhas do relacionamento no trabalho, como atritos nas relações com os colegas ou superiores e mudanças na estrutura da empresa, capazes de alterar as noções de referência dos funcionários, desestabilizando-os.Posteriormente, essas "falhas" são sinalizadas no aparecimento de doenças psicossomáticas. Mudanças ou rupturas nas empresas, como fusões, segmentações ou ameaças de corte de funcionários, são capazes de desencadear a manifestação dessas doenças.

Segundo a professora Limongi, quando o indivíduo sofre uma frustração que não consegue verbalizar ou mesmo mentalizar, seu corpo responde adoecendo. Ela aponta que, às vezes, a dor é a única reação possível, funcionando como um "radar" para prevenir um trauma maior. Quando a pessoa é capaz de compreender de onde vêm seus sintomas, seu tratamento é muito mais eficiente. O mesmo serve para as empresas, que, ela defende, devem pensar na gestão de pessoas através do incentivo à estima e ao relacionamento saudável entre os funcionários.

Para os próximos fóruns, qualquer interessado pode se inscrever, sendo da USP ou não.


Data do Conteúdo: 
sexta-feira, 24 Abril, 2015

Departamento:

Bloco

Recomende uma notícia